6 de nov de 2016

Felipe de Andrade: Hitler Entre o Céu e o Inferno

Hitler Entre o Céu e o Inferno
Logo após seu suicídio, o ex-ditador alemão Adolf Hitler se encontra parado diante de duas barcas: uma do Céu e outra do Inferno. Porém, sem escolher muito, deu um passo a frente e se encaminhou – primeiramente – para a barca do Inferno. Chegando lá, deparou-se com uma figura típica do local, o Diabo:
-Caro Hitler, que prazer em vê-lo. - exalta-se o Diabo - O que um Ditador tão impiedoso vem procurar na porta para o Inferno?
-Estou à procura de um esconderijo eterno depois do meu suicídio. Envergonhei todo o meu povo.
-Seu suicídio? Isso não chega aos pés de todos que você matou ou mandou matar. Marcara seu nome para sempre na história, merecendo um lugar bem aqui, no calor escaldante.
-Eu só fiz o que qualquer outro líder político e econômico de uma potência mundial como a Alemanha faria: acabar com a religião judaica. Eles são os culpados de tudo!
Termina Hitler, começando a se irritar com o Diabo.
-Judeus, culpados? Mas, pelo quê especificamente, meu caro? Vá direto ao ponto e pare de me enrolar como fazia com todos quando ainda estava vivo.
Adolf estufa o peito e diz: - A Alemanha existe para ser a maior potência de todas, e foi isso que eu busquei. Matar todos e criar uma nova raça: a Raça Ariana. Os judeus possuem uma grande economia mundial, eu tinha que acabar com isso.
-Cara, eu só sei de uma coisa. Você provavelmente tem um parafuso a menos. Bate um papo com meu “amigão” logo ali, porque é inevitável você voltar pra cá.
Hitler, confuso, foi até a barca do Céu para entender o porquê de o Diabo ter pedido para que ele conversasse com o Anjo, já que são arqui-inimigos.
-A barca do Céu é só isso aqui? Podia ter certeza que impunha mais medo e respeito nos que a observavam... Mas estava enganado.
-Por gentileza, quem é você? – questiona o Anjo, todo educado.
-Sou Hitler, Adolf Hitler. Ditador alemão nazista durante a Segunda Guerra Mundial. Não se lembra de mim, Anjo?
-Mas é claro que me lembro. Afinal, como se esquecer de um cidadão como o senhor? Matou, torturou, invadiu e, principalmente, destruiu povos e culturas. Não é à toa que meu “colega” Diabo lhe enviou aqui, estava cheio da sua personalidade fria e calculista.
-Anjo, você precisa entender que fiz isso em nome de Cristo, nosso salvador. Então mereço meu espaço ao seu lado no Paraíso.
-Você não vai me convencer, rapaz – discute o Anjo – o Paraíso pertence àqueles que vivem a vida com alegria e felicidade no coração. Caso a pessoa seja como você, um assassino, o lugar dela é naquela barca escura logo ao lado. Até nunca, querido Hitler.
Furioso novamente, o chefe Nazista se encaminha, de mente culpada pelo que fez nos últimos anos de usa vida, para a quente, dolorosa e impiedosa barca do Inferno.
-Voltou companheiro? – se alegra o Diabo
-Se estou aqui provavelmente eu voltei. Pergunta idiota.
-O senhor me parece um pouco irritado, eu posso ajudar. Esta vendo aquele banco bem ali, próximo àqueles homens jogando baralho?
-Sim, eu vejo. O que eu faço ali? – Com expressão totalmente fria, apenas obedecia às ordens do sete peles.
-Praticamente nada. Sente-se e adapte-se. Aqueles ali serão como seu exercito. Confiáveis até certo ponto, exigindo sempre cautela.
-Que ótimo! – indaga Hitler
A caminho do banco indicado pelo Diabo, ele vira-se para ouvir sua última despedida:
-Ah, esqueci de dizer que seja muito bem-vindo ao Inferno...

Nenhum comentário:

Postar um comentário